Google+ Followers

Seguidores

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

4º Trim. 2014 - Lição 8 - Os impérios mundiais e o reino do Messias I Plano de Aula

4º Trim. 2014 - Lição 8 - Os impérios mundiais e o reino do Messias I Plano de Aula
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
QUARTO TRIMESTRE DE 2014
INTEGRIDADE MORAL E ESPIRITUAL: o legado do livro de Daniel para a Igreja hoje
COMENTARISTA: ELIENAI CABRAL
PLANO DE AULA - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP


PLANO DE AULA Nº 8
LIÇÃO Nº 8 – OS IMPÉRIOS MUNDIAIS E O REINO DO MESSIAS
1º SLIDE   INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo do livro do profeta Daniel, iniciaremos o estudo da sua “parte escatológica” ou “parte profética”, analisando o capítulo sete.
- Deus deu visões a Daniel a respeito do futuro de Israel, a fim de seu povo mantivesse a esperança messiânica.
2º SLIDE   I – DEUS COMEÇA A DAR VISÕES A DANIEL SOBRE O FUTURO DE ISRAEL
- Daniel foi escolhido por Deus para trazer revelações a respeito do futuro de Israel, a fim de que o povo judeu mantivesse a esperança messiânica e ficasse consciente que, apesar do cativeiro da Babilônia, estavam completamente imutáveis os projetos de Deus para Israel, a fim de torná-lo reino sacerdotal e povo santo.
- Daniel, a partir do capítulo sete, passa a relatar as visões que teve da parte de Deus, visões que falavam sobre o futuro de Israel.
3º SLIDE
- Tudo indica que, após a morte de Nabucodonosor e a deposição de Evil-Merodaque, o filho de Nabucodonosor que o sucedeu, Daniel foi “esquecido” na corte de Babilônia, que passou momentos de instabilidade política.
- Os judeus, que haviam sido prestigiados por Nabucodonosor e por Evil-Merodaque, foram afastados das principais funções do reino por Nerglissar, o que envolveu o próprio Daniel, já, então, com 74 anos de idade.
4º SLIDE
- Tal situação, certamente, fez com que Daniel passasse a questionar o que estava a ocorrer na corte de Babilônia e o que seria do seu povo, que estava cativo ali há décadas.
- Diante destas circunstâncias tão adversas, o Senhor começa a dar visões ao profeta Daniel, lembrando-lhe que ele havia sido escolhido para trazer ao povo judeu o “roteiro” de seu futuro.
5º SLIDE   II – A VISÃO DOS QUATRO ANIMAIS SIMBÓLICOS
- A primeira visão descrita pelo profeta Daniel deu-se no primeiro ano de Belsazar, rei de Babilônia, ou seja, segundo Edward Reese, em 550 a.C., quando o profeta já contava com 78 anos de idade.
- Deus vem a Daniel para revelar-lhe as coisas concernentes a Israel e esta visão dos quatro animais simbólicos, a primeira visão recebida por Daniel e que dá início à segunda parte de seu livro, mostra, claramente, que o sonho dado ao rei Nabucodonosor, o sonho da estátua, não se tratava apenas de uma revelação ao rei, mas, sobretudo, tinha sido uma revelação ao próprio Daniel, então um iniciante na corte babilônia.
6º SLIDE
- Esta visão dos quatro animais simbólicos, além de repetir o sonho da estátua, com alguns dados novos,  teve o propósito de dar a Daniel uma segurança, uma convicção de sua posição na corte de Babilônia e de seu papel no plano divino.
- Daniel estava em sua cama, quando teve um sonho e visões da sua cabeça, tendo, então, escrito logo o sonho e relatado a suma das coisas (Dn.7:1).
7º SLIDE
- Daniel viu quatro ventos do céu que combatiam no mar grande e quatro animais grandes, diferentes uns dos outros, que subiam deste mar.
- O mar grande revela o mundo onde vivemos, o sistema mundano, repleto de nações e de povos, que vive em constante agitação.
8º SLIDE
 - Neste mar agitado das nações e dos povos, ou seja, entre os gentios, o profeta Daniel viu surgir quatro animais, diferentes uns dos outros, que emergiam do mar.
- Estes animais tratavam-se de poderes que iriam se sobressair dentre as nações, que dominariam sobre os povos, que são os impérios mundiais.
9º SLIDE
- O primeiro animal era como o leão, que tinha asas de águia. Estas asas foram arrancadas do leão, foi levantado da terra e posto em pé como um homem, tendo-lhe sido dado um coração de homem(Dn.7:4).
- Em seguida, surgiu o segundo animal, que era semelhante a um urso, o qual se levantou de um lado, tendo na boca três costelas entre os dentes, tendo-lhe sido dito que se levantasse e devorasse muita carne.
10º SLIDE
- Na sequência do sonho, Daniel viu um terceiro animal, semelhante a um leopardo, que tinha assas de ave nas suas costas, tendo, ainda, quatro cabeças, tendo, então, lhe sido dado o domínio.
- Surgia um quarto animal, terrível e espantoso, muito forte, que tinha dentes grandes de ferro, que devorava e fazia em pedaços e pisava aos pés o que sobejava, sendo diferente de todos os animais que apareceram antes dele, tendo dez pontas.
11º SLIDE
- Quando Daniel contemplava as pontas deste animal, eis que entre elas subiu outra ponta pequena, diante da qual três das pontas primeiras foram arrancadas e, nesta ponta, havia olhos como olhos de homem, e uma boca que falava grandiosamente.
- Daniel, então, viu que foram postos uns tronos e um ancião de dias se assentou, cujo vestido era branco como a neve e o cabelo da sua cabeça como a limpa lá e o seu trono tinha chamas de fogo e as rodas dele fogo ardente. Do trono saía um rio de fogo e milhões e milhões estavam diante dele e milhares e milhares O serviam, tendo se assentado o juízo e sido abertos os livros.
12º SLIDE
- Daniel observava que grandes palavras provinham da ponta que havia se sobressaído daquele animal terrível e espantoso, mas o animal foi morto e o seu corpo desfeito e entregue para ser queimado pelo fogo.
- Havia sido dado domínio aos outros animais, mas apenas por um certo espaço de tempo, mas, das nuvens, viu o profeta que vinha um como o filho do homem, que se dirigiu ao ancião de dias e a quem foi dado do domínio, a honra e o reino, para que todos os povos, nações e línguas O servissem, num domínio eterno, que não passaria e um reino único que jamais seria destruído.
13º SLIDE  III – A INTERPRETAÇÃO DA VISÃO DOS QUATRO ANIMAIS SIMBÓLICOS: OS TRÊS PRIMEIROS ANIMAIS
- A personagem que estava perto de Daniel e interpreta a visão não nos é identificada. Tudo indica que se trata de um ser angelical. Alguns entendem ser o anjo Gabriel.
- Os quatro animais, então, são identificados como quatro reis que se levantariam da terra, o que, de imediato, nos faz lembrar a estátua do sonho de Nabucodonosor, onde, também, havia quatro reinos que dominariam a Terra (Dn.2:36-40).
14º SLIDE
- Pois bem, este ser angelical que interpretou a visão para Daniel disse que estes quatro animais seriam quatro reinos que se levantariam da terra mas que os santos do Altíssimo receberiam o reino e o possuiriam para todo o sempre, e de eternidade em eternidade (Dn.7:18).
- Daniel logo compreendeu que a sequência dos quatro animais representava o sonho do rei Nabucodonosor, tanto que não perguntou sequer o que significavam aqueles reinos, tendo indagado a respeito do quarto animal, terrível e espantoso.
15º SLIDE
- O primeiro animal era um leão alado, que representa o Império Babilônico.
- A perda das asas e a transformação do coração de leão em coração de homem é interpretada ora como a perda do poder do reino de Babilônia, ora como a descrição da experiência da conversão de Nabucodonosor. Seja como for, a visão mostra, claramente, o término do poder babilônico e a sua substituição por um novo reino.
16º SLIDE
- O segundo animal visto por Daniel era um urso. Este segundo animal é o Império Medo-Persa, aquele que tomaria o domínio mundial das mãos de Babilônia.
- O urso possuía três costelas entre os dentes, indicando, assim, que haveria de se constituir em império mundial após vencer três reinos. Foi efetivamente o que ocorreu, pois o Império Medo-Persa se estabeleceu depois de ter conquistado a Babilônia, a Lídia e o Egito.
17º SLIDE
- O terceiro animal era semelhante ao leopardo, tendo quatro asas de ave nas suas costas, como também quatro cabeças, tendo-lhe sido dado o domínio.
- Este terceiro animal representava o terceiro reino do sonho da estátua de Nabucodonosor, representando o Império Greco-Macedônio, conquistado por Alexandre, o Grande, mas dividido por seus quatro generais, após a sua morte, quando tinha ele apenas 33 anos de idade.
18º SLIDE
- As quatro asas e as quatro cabeças do leopardo significam os quatro reinos que surgiriam depois da morte de Alexandre, como legítimos sucessores do Império Greco-Macedônio.
- Este império, como também seus quatro sucessores, tiveram o domínio por um espaço de tempo, domínio dado pelo próprio Deus, que tinha controle sobre tudo, como estava a mostrar ao seu profeta.
19º SLIDE  IV – A INTERPRETAÇÃO DA VISÃO DOS QUATRO ANIMAIS SIMBÓLICOS: O QUARTO ANIMAL
- O quarto animal era apenas apontado como “terrível e espantoso” e, como se não bastasse, tal animal tinha dez pontas e dentre elas, surgia uma ponta que se tornava grande, abatia três pontas e ainda falava coisas grandiosas, tendo sido especificamente abatido, queimado pelo fogo, o que não ocorrera com os animais anteriores.
- Tal revelação era nova para Daniel que, embora tivesse atentado para o fato de que, no sonho da estátua, também havia um quarto reino, nesta visão algo novo lhe era revelado e, por isso mesmo, o profeta perguntou àquela personagem que estava perto que significava este quarto animal.
20º SLIDE
- O quarto animal era diferente de todos os outros, muito terrível, com dentes de ferro e unhas de metal, que devorava e fazia em pedaços e passiva a pés o que sobrava.
- Além disso, a ponta que se sobressaíra e abatera três outras, tinha olhos e uma boca que falava grandiosamente, cujo parecer era mais firme que os das suas companheiras e esta ponta fazia guerra contra os santos e vencia, até que o ancião de dias e, então, os santos possuíam o reino.
21º SLIDE
- A personagem, então, disse a Daniel que o quarto animal seria o quarto reino da terra, que a devoraria e a pisaria aos pés e a faria em pedaços.
- Daquele reino se levantariam dez reinos e, depois deles, um outro, o qual seria diferente dos primeiros e abateria três reis. Este rei proferiria palavras contra o Altíssimo, cuidaria em mudar os tempos e a lei e os santos seriam entregues na sua mão por um tempo, e tempos, e metade de um tempo.
22º SLIDE
- Somente depois, o reino lhe seria tirado e a majestade dos reinos debaixo de todo o céu seriam dados ao povo dos santos do Altíssimo e, então, se teria o estabelecimento do reino eterno.
- Este quarto animal, que Daniel não conseguira identificar, representa o Império Romano, que sucedeu ao Império Greco-Macedônio.
23º SLIDE
- As dez pontas são dez governantes que têm seu poder oriundo do Império Romano. Vemos, portanto, que estes dez reis são governantes que surgirão deste mundo cultural greco-romano que se estabeleceu por causa do próprio Império Romano.
- Trata-se do que os estudiosos das Escrituras denominam de “Império Romano restaurado”, ou seja, de uma potência política que, tendo dominado a região do Mar Mediterrâneo, envolvendo Europa, Norte da África e Oriente Médio, voltaria a ter domínio como antes. Tratar-se-á, pois, de uma potência que tornará a ter o mesmo poder que tinha o Império Romano, ainda que sob nova roupagem ou denominação.
24º SLIDE
- O décimo primeiro rei, a ponta pequena que saiu do meio das demais, será “diferente dos demais”, ou seja, alcançará o poder de modo diverso daqueles reis e terá um objetivo precípuo, que é o de destruir os santos do Altíssimo e se levantar contra o Altíssimo.
- Seu poder, como se vê, não resultará apenas de articulações políticas ou de estratégias humanas, como é o caso dos dez reis que o antecederam, mas, sim, terá uma origem satânica, visto que imbuído do desejo de “matar, roubar e destruir” (Jo.10:10), de eliminar tanto o povo de Deus quanto o de se rebelar contra o próprio Deus.
25º SLIDE
- Este rei é o Anticristo, aquele que virá, como diz o apóstolo Paulo, como “…o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou se adora…” (II Ts.2:3,4).
- Neste seu intuito, ele cuidará de mudar os tempos e a lei, ou seja, alterará o calendário, que hoje é baseado no nascimento de Cristo, bem como não permitirá que se siga a Palavra de Deus, que é a lei do Senhor (Sl.1:2), bem como procurará destruir o povo judeu, que estarão sob sua perseguição durante três anos e meio (um tempo, tempos e metade de um tempo), exatamente como o Senhor Jesus revelou a João no Apocalipse, como se verifica de Ap.12:14.
26º SLIDE
- Esta ponta pequena tinha “olhos, como olhos de homem”, a indicar que . “…O Anticristo (…) possuirá, no campo cultural, um notável saber (ver [Dn.]7:8,20; Ap.13:5); ele será um elemento altamente inteligente, por isso será um grande orador e, em dúvida, um filósofo notável (comp. [Dn.] 7:23 e 11:34), e um político habilidoso (Ap.13:4), tudo isso, e mais ainda, são características que farão dele um super-homem de Satanás”.
- No entanto, apesar de toda a perseguição sofrida, os santos do Altíssimo não serão destruídos, mas se estabelecerá o juízo por parte do ancião de dias e este entregará o reino nas mãos do filho do homem, o qual haverá de estabelecer o reino, o domínio e a majestade para todo o sempre, num reino que jamais será destruído.
27º SLIDE
- Este reino é o reino milenial de Cristo, profetizado já por Isaías, Miqueias e tantos outros profetas, a esperança messiânica que era compartilhada por todo o povo judeu.
- Este reino haveria de se estabelecer, apesar de todas as circunstâncias geopolíticas que eram adversas e não apontavam para isto, o que era nítido para um estadista como Daniel. Entretanto, Deus estava no controle de tudo e tudo haveria de se cumprir no seu devido tempo.

 http://www.portalebd.org.br/classes/jovens-e-adultos/item/3619-4%C2%BA-trim-2014-li%C3%A7%C3%A3o-8-os-imp%C3%A9rios-mundiais-e-o-reino-do-messias-i-plano-de-aula.html
COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISC

Nenhum comentário:

Postar um comentário